Alunos da Escola Chave do Saber (ECSA) e do Colégio Maxi receberam recentemente medalhas de bronze da Olimpíada Brasileira de Matemática de Escolas Públicas e Privadas (OBMEP) Edição de 2017. A solenidade ocorreu no auditório do Instituto de Ciências Exatas e da Terra (ICET) da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT).

Os estudantes Kenzo Tho, Matheus Silva Matos, Lucas Hiroki, do Maxi, e Yuri Pereira da ECSA ressaltaram que as aulas do professor Marcos Teixeira foram fundamentais para conseguir esse resultado. “Eu amo estudar Matemática e eu adoro as aulas do professor Marcos, para mim ele é o melhor professor do mundo. Estou muito feliz, é a primeira vez que participo”, comenta Yuri, do 9º ano da ECSA.

A diretora da ECSA, Marcia Bezerra, emocionou-se durante a entrega e destacou a importância deste reconhecimento. “No caso do Yuri, o professor Marcos que visualizou o potencial dele, a partir daí ele percebeu que tinha essa habilidade, mas não a reconhecia. É muito bom, emocionante e gratificante esse reconhecimento. Fiquei bastante emocionada, são momentos como este que fazem a diferença”, finaliza.

Para Kenzo, Matemática as vezes é um bicho de sete cabeças, mas com ajuda dos professores é possível superar. “Eu agradeço muito o professor Marcos e os professores do Maxi. Eles nos ajudam muito, as vezes a matéria fica muito difícil, mas sempre colaboram com a gente”, comenta. Já Matheus comenta que teve que estudar bastante. “Eu adoro Matemática, é uma das minhas matérias preferidas, mas tive que estudar bastante. Estou muito feliz que consegui”, afirma.

De acordo com a diretora de orientação educacional do Colégio Maxi, Jaqueline de Vecchi, o papel da escola é fazer com que o aluno descubra o seu potencial. “A escola fica muito feliz com esse prêmio. O sucesso do nosso aluno, é o nosso sucesso, a alegria deles é a nossa alegria. Para nós, é uma satisfação muito grande, é um orgulho participar deste momento de reconhecimento”, completa.

O professor de Matemática, Marcos Teixeira, afirma que os alunos se preparam durante todo o ano para as duas etapas na escola e na UFMT. “Eles se preparam comigo, em aulas proporcionadas pela escola, no contra turno escolar. Para nós é uma satisfação vê-los ganhando esse reconhecimento. Até porque o rendimento aumenta muito, não só em Matemática, mas em todas as matérias. Eles aprendem a ter mais disciplina e foco”, finaliza.

Publicado originalmente em www.maxicuiaba.com.br. Fonte: Pau e Prosa Comunicação | Fotos: Raphael Nickerson

Accessibility